quinta-feira, 28 de junho de 2012

O cheirinho do Rei



PERFUMES QUE O MICHAEL GOSTA!


Meus amores, hoje eu vou postar alguns perfumes que o Michael simplesmente ama usar, e os outros que ele usa quando não encontra o seu perfume preferido.


Bal à Versailles By Jean Deprez, ele ama esse perfume e é o que ele usa mais, de baunilha.

Para saber mais sobre o perfume é só acessar essa página chamada Perfumes Big House.


Black Orchid, ele também usa esse perfume. Quer saber mais sobre o perfume é só clicar no site Perfumes Big House.


Ele usa esse também, e você encontra informações sobre ele no site Perfumes Big House.


No site Perfumes Big House eu não encontrei um post sobre o Obsession, mas ela diz que ele tem muita canela, e eu usei ele numa viagem que eu fiz e achei muito forte, é um perfume forte igual ao nosso Rei.


Esse perfume o Michael usa, eu sou apaixonada por esse perfume desde que eu era pequena, lá pelos meus 12 para 13 anos de idade, eu sempre comprei esse perfume, e vou falar que é maravilhoso, que bom deve ser sentir o Michael usando esse perfume.


O Chanelnº5 eu também já usei e achei maravilhoso, é muito doce e gostoso de usar, agora imagine o Michael usando esse e os outros perfumes que mencionei aí encima, deve ser uma loucura de bom!

Minha consideração:

Que eu estou lembrando agora, são esses os perfumes que Michael Jackson usa e que eu já ouvi falarem. São todos muito bons, o Obsession é bom, mas para mim ficou muito forte. Acho que depende de cada pessoa, para ver como que fica o perfume em sí mesmo. No Michael deve ser muito bom, ele é todo lindo!

Obs: A Lore me lembrou que eu já tinha postado sobre os perfumes que ele ama, e foi um post que eu copiei do Caue o Mr. Bacalow. Olhem só o post:


Beijos Marila Hoppe

Veja a descrição do Bal a Versailles e imagine o quanto ele bom :)


BAL A VERSAILLES edt - JEAN DEPREZ

Esta fragrância trouxe a recordação imediata do filme Entrevista Com Vampiros e uma Veneza misteriosa, quase gótica.
Baile de máscara onde perigos espreitam convivas inocentes.
Marcante aroma de benjoim, lembrando couro curtido, seco e doce apesar de agudo, predomina todo o tempo.
Maravilhoso e sensual ? Sim.
Estranho? Também.
Traduz a inocência perdida numa noite devastadora, a doçura de pele e a maciez angustiante do veludo.
Perfume para ser usado à meia luz, pois nasceu para os mistérios da noite.
Repudia o esplendor do sol e se reveste de penumbras e sombra.

Hipnótico! Sua doçura cremosa seduz.
Não percebemos as notas cítricas claramente. Estão lá para equilibrar a pungência do estoraque, do bálsamo de tolú ou cabriúva como é conhecido no Brasil.
Assim se comportam as flores, quase a nos enganar com uma simulada ausência embora não consigam escapar da nossa percepção.
Sem elas o aroma ficaria seco, estéril e agressivo e perderia este antagonismo delicado que nos encanta.
Embora notas acres como alecrim pareçam dominar o cenário, este bouquet discreto, adornado pelo mel das favas de baunilha, predomina, interfere suavizando, revestindo e maquiando os excessos agrestes.
Acordes exóticos, desta forma equilibrados, disfarçam o penetrante e quase importuno aroma de civeta envolvendo numa fragrante suavidade.

Resinas, madeiras, ervas condimentadas, notas florais doces juntam-se numa mistura instigante que as vezes lembra o látex das seringueiras, emborrachado...noutras um acento de couro, vivo e pulsante.
Bal A Versailles é incisivo e andrógino, muito próximo do agressivo, necessitando de feminilidade declarada e explícita para não se transformar num aroma masculino e pungente.
Reconheci neste acento envolvente de pelica macia e sensual, temperado nas especiarias, semelhanças com odrydown animalic e hipnotizante da primeira versão de Mystere, muito antes de sumir completamente das prateleiras.
Experimente!

Lista com marcadores
Família Olfativa: Oriental, 1962
Perfumista: Jean Deprez
Frasco: Pierre Dinand
Gênero: Feminino ( compartilhável)
Rastro: Intenso
Fixação: Excelente
Pirâmide Olfativa:

  • Topo - Rosa da Bulgária, jasmim, folhas de groselha, alecrim, tangerina
  • Coração - Patchuli, sândal, vetiver, lilases, lírio selvagem, ylang-ylang, raíz de íris.
  • Base - Almíscar, civeta, âmbar, benjoim, cedro, bálsamo de tolú, baunilha
LOJAS
StrawberryNET.com
FragranceX.com
Perfume Emporium
FragranceNet.com
Fresh Fragrances and Cosmetics
BeautyBridge
BeautyBridge
FragranceShop.com 
Cosme-de.com

Fonte: Perfumes Bighouse

quarta-feira, 27 de junho de 2012

"Michael me ajudou a ser a artista que sou", (Beyconé)

Foto: Beyoncé escreve homenagem a Michael Jackson

"Michael me ajudou a ser a artista que sou", disse a cantora

Três anos depois da morte de Michael Jackson, a popstar Beyoncé escreveu um breve tributo ao rei do pop. Com um post em seu site oficial, disse que seu produtor já a fez ouvir Who's Loving You por várias horas seguidas.

"Ele queria que eu aprendesse a entender a alma de MJ. Você podia ouvir a alma dele, mesmo quando era apenas um garotinho que ainda não tinha experimentado o amor. Mas, por alguma razão, ele podia evocar um lado bem mais emocional do que um adulto", explicou.
Mãe de Blue Ivy, fruto do casamento com o rapper Jay-Z, a cantora também falou sobre a capacidade de entretenimento do músico, algo que ela acredita que não pode ser aprendido por ninguém. "Era tão cru e puro. Foram essas coisas que ele fez que acabaram ficando. É algo divino".
"Michael me ensinou também que algumas vezes você tem que esquecer a técnica. Você só tem que deixar sair da barriga. Deixe a música ir. Ele me mudou e me ajudou a ser a artista que eu sou. Obrigado, Michael", completou.

Beyoncé escreve homenagem a Michael Jackson

"Michael me ajudou a ser a artista que sou", disse a cantora

Três anos depois da morte de Michael Jackson, a popstar Beyoncé escreveu um breve tributo ao rei do pop. Com um post em seu site oficial, disse que seu produtor já a fez ouvir Who's Loving You por várias horas seguidas.

"Ele queria que eu aprendesse a entender a alma de MJ. Você podia ouvir a alma dele, mesmo quando era apenas um garotinho que ainda não tinha experimentado o amor. Mas, por alguma razão, ele podia evocar um lado bem mais emocional do que um adulto", explicou.
Mãe de Blue Ivy, fruto do casamento com o rapper Jay-Z, a cantora também falou sobre a capacidade de entretenimento do músico, algo que ela acredita que não pode ser aprendido por ninguém. "Era tão cru e puro. Foram essas coisas que ele fez que acabaram ficando. É algo divino".
"Michael me ensinou também que algumas vezes você tem que esquecer a técnica. Você só tem que deixar sair da barriga. Deixe a música ir. Ele me mudou e me ajudou a ser a artista que eu sou. 
Obrigado, Michael", completou.

terça-feira, 26 de junho de 2012

O encontro de Michael Jackson e Bob Marley no galho de uma árvora

Nesta curiosa fotografia feita em 1975 aparecem em cima de um galho de uma enorme árvore, várias pessoas que mudariam o rumo da música no mundo. No centro com camiseta regata vermelha está Bob Marley, que hoje comemora o 29º aniversário de sua morte. Em sua volta, amigos do grupo The Wailers, os Jackson Five  e entre eles um jovem Michael Jackson de 16 anos sentado à esquerda de Bob com camisa listada.

Marley e Jackson

Em sua parada não esqueceram passar pela casa de Bob Marley no nº 56 da Hope Road da capital jamaicana, onde na atualidade se encontra seu museu.
Marley e Jackson

Michael jackson o "rei do pop" junto à casa do "deus do reggae".
Um encontro histórico de dois personagens que chegaram a ser dois dos maiores ícones da música.
Marley e Jackson

Katherine Jackson e Bob Marley no número 56 da Rua Esperança. 

Marley e Jackson


Leia mais em:Metamorfose Digital

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Hoje, 25/06/2012


Vejo o ponto de interrogação no rosto da pessoas que não entendem os meus olhos vermelhos por chorar por alguém que para eles não está mais aqui.
Eu entendo que para eles é estranho, é difícil de entender, até por que nem eu mesmo nunca consegui explicar o que é e o por que disso.
Mas hoje eu não quero convencer ninguém, de nada, hoje meu dia é do Michael.
Na maioria das vezes Michael me faz sorrir, Michael ainda é uma alegria pra mim. 
Mas hoje me desculpe eu não consigo sorrir.
Só por hoje eu me dou o direito de chorar a minha dor. 
A dor da saudade, do homem que foi mais que um artista pra mim, o homem que me fez acreditar nos meus sonhos e me fez acreditar no poder do amor que eu conhecia somente dos livros de poesia.
Depois eu sei que novamente vou sorrir, mas hoje não dá. 
Hoje eu somente gostaria de saber que este pesadelo já acabou.
Eu achei que com o tempo eu aprenderia lidar com este maldito dia 25, hoje eu descobri que ainda não consegui.
Desculpe Mike :(
Vank Jackson
Foto: Vejo o ponto de interrogação no rosto da pessoas que não entendem os meus olhos vermelhos por chorar por alguém que para eles não está mais aqui.
Eu entendo que para eles é estranho, é difícil de entender, até por que nem eu mesmo nunca consegui explicar o que é e o por que disso.
Mas hoje eu não quero convencer ninguém, de nada, hoje meu dia é do Michael.
Na maioria das vezes Michael me faz sorrir, Michael ainda é uma alegria pra mim. 
Mas hoje me desculpe eu não consigo sorrir.
Só por hoje eu me dou o direito de chorar a minha dor. 
A dor da saudade, do homem que foi mais que um artista pra mim, o homem que me fez acreditar nos meus sonhos e me fez acreditar no poder do amor que eu conhecia somente dos livros de poesia.
Depois eu sei que novamente vou sorrir, mas hoje não dá. 
Hoje eu somente gostaria de saber que este pesadelo já acabou.
Eu achei que com o tempo eu aprenderia lidar com este maldito dia 25, hoje eu descobri que ainda não consegui.
Desculpe Mike :(

3 anos depois...



Depois de 3 anos, depois de tudo o que já foi dito, as pessoas ainda tentam explicar a grandeza de Michael Jackson e o impacto que a vida dele causou no mundo e na vida de milhares de pessoas. 
Acredito que nunca ninguém vai conseguir definir ou explicar o que foi este fenômeno ou este mistério, essa luz que brilhou por este mundo e que agora esta brilhando no coração de cada um de nós.
Não preciso de explicações, não preciso de definições, para mim Michael é o que é, e será para sempre: o amor personificado, grande e eterno.

25/06... eu quero apenas dizer Obrigado à você, meu herói


Mesmo que a dor e o sofrimento
Pareça me seguir por onde quer que eu vá
Embora eu tente esconder meus sentimentos
Eles sempre parecem se mostrar
Então você quer dizer que está me deixando
E eu sempre tenho de dizer não...

Diga-me porque
É assim

Que eu
Nunca posso dizer adeus
Não não não não não, eu
Nunca posso dizer adeus

O que dizer hoje? 
Palavras não são suficientes para mostrar oque o coração de cada um dos fãs está sentindo hoje.
Lágrimas que escorrem dos nossos olhos mostram uma pequena parte da dor, mas elas também não são suficientes para definir.
O mundo hoje lembra da lenda Michael Jackson. 
Mas hoje eu lembro do meu herói real. Lembro da pessoa que mudou a minha vida e transformou meu mundo pra sempre.
Me fez acreditar na fantasia, na magia do amor.
Eu ainda não consegui me acostumar com a corôa sem o seu rei, com os sapatos alí parados sem o seu o seu dono a nos encantar com os seus passos de dança.
A luva, que como um milagre conseguia ultrapassar barreiras e segurar as nossas mãos.
Não eu nunca conseguirei me acostumar com isso.
Eu nunca conseguirei dizer adeus.
Me perdoe se hoje eu não conseguir seguir um dos seus maravilhosos conselhos (Sorria), hoje eu não conseguirei sorrir. 
Hoje me deixe apenas te dizer: 
Obrigado, Eu te amo.

domingo, 24 de junho de 2012

Você, Michael.



Quando você se foi, levou com você um pedacinho de mim. 
Minha vida ainda precisa de você, este espaço vazio nunca será preenchido.
Foi você que deu o tom dos meus momentos mais marcantes.
Quando estou amando, é você quem canta a poesia.
Quando estou com raiva, você é o meu grito de protesto.
Quando quero um mundo melhor são suas palavras que me mostram o caminho.
Você, de alguma forma mágica e única sempre soube dizer as coisas certas da 
maneira mais linda e perfeita que pode existir.
O mundo perdeu o Rei do Pop, mas pra mim você é ainda maior que tudo isso.
Te amarei além da vida.

Vank, Jackson


quarta-feira, 20 de junho de 2012

Entrevista da Paris para Oprah Winfrey (Completa Legendada)





Créditos da Legenda: D@n!3l JacKson

Lembranças de Michael Jackson na Malásia




Syed Yusof Wafa, jornalista freelance que antes tambem foi um artista, lembra a visita de Michael na Malásia. Ele foi responsável por trazer o Rei do Pop , Michael Jackson á Malasia e disse que Michael foi um verdadeiro profissional e perfecionista.

“Ele estava sempre preocupado com seus fãs. No primeiro dia quando fomos a Toys ‘R’ Us para comprar presentes para as crianças orfanato Rumah Ozanam, eu me preocupava pois a quantidade de pessoas que haviam se reunido ali nos fez cancelar a saída. Mas Michael insistiu que ele queria ir, porque não queria desapontar seus fãs. “



Yusof, descreveu Michael como “Enérgico”, lembra que se preocupou, quando recebeu deMichael uma telefonema durante a noite porque ele não conseguia dormir. Ele não notou em nenhum momento de que Jackson fosse uma pessoa difícil. “Um exemplo é quando uma das crianças lhe perguntaram sobre seu nariz. Ele não se sentiu ofendido em absoluto”.

“Michael foi simpático e acolhedor e isso se via a forma como ele usava a palavra” amor “tantas vezes em seu vocabulário. Todos esses rumores negativos sobre ele eram mentiras.
Passei 25 minutos na suíte do Rei do Pop ele autografava uma coleção de desenhos .

“Agradeceu -me calorosamente e disse que amava a arte e desenho. Ele chamou a atenção para o camafeu que eu usava no momento “, lembra Wafa Badrul Hisham em seu encontro com a estrela em 1996.

Badrul Hisham, chefe de cozinha no Hotel Concorde Kuala Lumpur. Em 1996, ele foi o garçom designado para servir á suíte de Michael Jackson

Ele era muito calmo e muito educado , Badrul observou que enquanto esteve na suite de Jackson era como se ele tivesse com uma placa no pescoço dizendo “Não Pertube” A situação mudou quando seu chefe, Tan Sri e Syed Yusof levou 15 crianças de cinco a sete anos à sua suite.

“Ele ficou muito feliz em vê-los. Ele e as crianças deixaram o lugar uma bagunça jogando spray de serpentina e estourando centenas de balões que estavam na suite.Você podia ver que ele amava as crianças”

“Jackson tinha um carro de polícia de brinquedo para brincar no quarto e atirava nos balões com arma de brinquedo e balas de cortiça. Lembrou que Michael pediu á seus homens para comprar vídeos de Tom e Jerry e Mickey Mouse” e de quando ele teve que ajudar Michael com dor de estômago depois de comer frango tandoori.




Fonte: Blog Falando de Michael Jackson

Jim Brascum fala de Michael Jackson


A foto mostra Michael Jackson durante uma visita ao meu estúdio Scottsdale. Estão olhando um álbum de fotos mostrando as etapas de fundição de bronze “Eagle Keeper”. Em primeiro plano, o busto de bronze de “Eagle Keeper” (direita) e o busto de Waylon Jennings, “Storm never last” (à esquerda). O cavalheiro trás é Bill Bray, seu chefe de segurança.

Eu não era fã antes de conhecê-Michael. Eu tinha ouvido algumas de suas músicas, mas não tinha nenhum álbum. No entanto, devo dizer que fiquei impressionado com seu conhecimento de arte e as perguntas detalhadas que me fazia sobre a fundição de bronze. Sua visita foi logo depois que ele assinou um contrato com a Sony 100 milhões. Michael perguntou o preço de algumas figuras de bronze, eu disse que US $ 65.000 pelo Eagle Kepper. Ele levou um exemplar do meu livro “Desenho para a vida”, mas não comprou o bronze. E eu perdi a oportunidade de uma vida, ter uma das minhas peças na coleção do artista mais famoso da terra.

A fotografia abaixo mostra Michael olhando uma de minhas impressões. O desenho no é intitulado “Ele acha que é livre”. “Ele acha que é livre” é um desenho de 1983,(Calf Roping, e All Around Cowboy) Roy Cooper campeão do mundo de rodeios encomendou para a Jaycee Phoenix Rodeios.



Uma história por trás do Discurso na Universidade de Oxford (2001)

 

Em 6 de março de 2001, Michael Jackson fez um discurso na Universidade de Oxford para promover seu Heal the World Kids Foundation e propor Uma Carta Universal de Direitos Infantis. Câmeras (exceto a própria equipe de Jackson) não foram admitidas na sala de aula, embora o áudio fosse gravado.




Meu amigo Michael, o real meninão por trás da máscara
Esta semana, um rabino, um dobrador de colher e um superstar começaram uma turnê na Grã-Bretanha. Seu amigo Jonathan Margolis se juntou a eles: o seu relatório original oferece uma extraordinária visão do estranho mundo de Michael Jackson - e ele poderia ter testemunhado o momento em que o cantor torturado fez as pazes com seu pai.

Por Jonathan Margolis, Mail on Sunday, março 2001

A ligação veio às 02:00.

Dizem que a única coisa pior que um número errado no meio da noite é um número certo, porque invariavelmente traz uma tragédia. Neste caso, porém, um número certo de madrugada trouxe uma das mais notáveis oportunidades que se possa imaginar para um jornalista.

"Você gostaria de vir e encontrar Michael Jackson no avião no aeroporto de Heathrow às 9h e passar alguns dias da semana com ele? perguntou uma voz familiar americana.

O interlocutor foi Shmuley Boteach, meu hiperativo amigo rabino que, em um dos mais imprevisíveis encontros do mundo do espectáculo, se tornou guru da lenda do pop Michael Jackson, - e, na semana passada, parceiro na fundação de caridade para crianças.

Naturalmente, eu aceitei a oferta e, horas mais tarde, entraria pela segunda vez em poucos meses no turbilhão que é a vida do cantor de 42 anos de idade, uma vez descrito por Bob Geldof como "o homem mais famoso do planeta, que Deus o ajude ".

Nos bastidores de uma das mais extraordinárias histórias de celebridades, eu me encontrava no meio de tudo, desde escutando Michael de pijama dando os retoques finais no seu discurso de Oxford, para fazê-lo rir com uma piada na parte traseira de seu carro, para ouvi-lo fazer uma das chamadas de telefone mais emocionante de sua vida - no viaduto Hammersmith em Londres ocidental.

Michael Jackson estava vindo para a Inglaterra para lançar seu seu projeto de caridade Heal The Kids, em um discurso na Universidade de Oxford, e para ser padrinho de casamento do paranormal Uri Geller, como agrdeicmento a Geller por ter apresentado Shmuley a Jackson dois anos atrás.

Tinha sido uma semana tensa para o rabino. A viagem há muito planeada de Jackson foi prejudicada no último minuto pela quebra de dois ossos em seu pé, por causa de uma queda, depois, por uma greve de companhia aérea - e, por último, uma tempestade de neve em Nova York.

Por isso, não foram apenas os cínicos que duvidavam que o cantor jamais chegaria a Oxford. O rabino, também, estava ficando nitidamente nervoso. Ele tinha passado quase um ano fazendo com que Michael viesse discurssar na Universidade de Oxford, contra o parecer que o megastar poderia receber uma recepção difícil dos estudantes.

Mas alguns minutos antes de telefonar para mim, o rabino Shmuley tinha recebido a confirmação da América. Michael Jackson estava engessado, com dor e muletas - mas ele também estava em um vôo saindo do aeroporto JFK.

Em novembro, passei uma semana com Michael em Nova York para um artigo da revista norte-americana. Agora Shmuley me quis como testemunha, fazendo-me ainda mais próximo de Jackson, que neste mês se torna um embaixador especial da ONU para as crianças a mando do seu amigo Nelson Mandela, entre outros, se transformando de entertainer em figura séria mundial - ou assim os seus simpatizantes esperam.

Shmuley fez sua missão de convencer o mundo que Michael, duas vezes divorciado pode não ser convencional em uma variedade de maneiras, mas é um bom coração, homem inocente cujo desejo de sensibilizar os adultos para as necessidades das crianças merece ser ouvido .

Então, agora ali estávamos nós, viajando para fora do aeroporto.

O pessoal de Michael, uma tribo de sujeitos robustos, já estavam lá, claro.

Havia a segurança, silenciosa e observadora americana, e os pilotos ingleses, todos com experiência em bater em torno de celebridades em comboios de Mercedes e pessoas. Havia até mesmo um fotógrafo contratado para filmar e fotografar cada movimento de Michael para seu arquivo pessoal.

Em seguida, a equipe chegou - um jovem empresário de Jackson, seu médico libanes idoso, para cuidar do pé da estrela, e mais um bando de homens robustos.

Normalmente, haveria também a babá dos filhos de Michael, uma senhora gentil, de meia-idade que olha tudo e cuida de dois Jackson, Prince e Paris. (Não é, aliás, nenhuma tropa de 12 amas como é frequentemente descrito - apenas uma).

Os filhos de Michael (ambos de sua segunda esposa, a enfermeira Debbie Rowe) são um par impecável, intocado e assustadoramente brilhante.

Seu pai tinha decidido por não trazê-los em uma viagem, porque temia que fossem fotografados, algo que ele evita depois de ser constantemente perseguido por paparazzi.

Enquanto Michael e os seus homens passavam pela alfândega, a comitiva de quatro carros ficou em posição em uma parte pública do aeroporto, ao lado de pessoas saindo dos carros para ir de férias.

Para minha surpresa, Michael estava usando sua máscara de seda preta, um item que não tinha feito uma aparição uma vez, quer em privado ou quando saímos em Nova Iorque, ou para essa matéria quando eu o conheci no Japão anos atrás.

Na verdade, eu sempre dizia às pessoas que a máscara é um outro mito, juntamente com a câmara de oxigênio e de rumores de Michael querer que os brinquedos de Prince e Paris sejam jogados fora depois do uso por medo de germes, os quais eu sei ser falso.

O conto sobre a câmara de oxigênio, Michael me disse quando tivemos o jantar de Ação de Graças na casa de Boteach em Nova Jersey, decorre de uma piada que ele fez para um fotógrafo, depois que ele comprou para um hospital infantil e saiu dizendo: "Nossa, se Eu tive uma dessas, eu poderia viver até os 150 anos ". O Sun assumiu o desafio e o rótulo de "Wacko Jacko", que ele despreza, nasceu.

O sofrimento físico de Michael em Heathrow, também, era palpável. Ele estava estressado e exausto, cambaleando de muletas e colocando todo o esforço para ficar em pé.

Ele estava muito centrado em apenas caminhar para dizer "Olá a todos", o rabino Shmuley e, infelizmente para mim, suas muletas e a perna esticada mostrou qual ia ser o meu lugar no seu carro.

Então eu segui o comboio para Lanesborough Hotel de Londres com um motorista de 67 anos de idade, Stan, que foi motorista de Michael desde que o cantor era um adolescente. Stan foi esclarecedor sobre o assunto da máscara. "É para os fãs e vocês todos da imprensa, não é?" ele riu.

"Colocá-la garante imagens nos jornais de amanhã.

Nunca se esqueça que Michael é um showman.

"Os fãs compareceram em massa na parte traseira do hotel de Michael, dúzias deles acampando em sacos de plástico na calçada para um vislumbre de seu ídolo.

Como Michael se estabeleceu na suíte, eu assisti o seu cameraman indo ao redor da multidão, que gritava e mandava mensagens para Michael em sua câmara de vídeo. Era comovente e perturbador.

Lá em cima, na suíte, Michael estava vendo o seu médico. Eu me perguntava quando ele surgiu, se ele teria alguma idéia de quem eu era. No entanto, ele me viu e me cumprimentou com uma saudação militar engraçada. Eu não tenho idéia se ele realmente me reconheceu, mas ele fez um trabalho convincente, fazendo-me sentir que ele tinha.

A maquiagem de Michael, e seu comportamento quieto e tímido, fazem parecer que ele está longe e sem saber o que está acontecendo em torno dele, mas ele tem uma visão de 360 graus e raramente perde nada.

Todos, naturalmente, querem saber o que esse homem misterioso realmente gosta. Para mim, ele surge como uma criança, engraçado, com espírito generoso, atencioso, bem exigente, e infalivelmente educado. Ele também é inesperadamente fofoqueiro, embora nunca seja malevolente. Ele tem, por exemplo, uma cobra carinhosamente chamada de Madonna - mas está sempre ansioso para dizer o que ele realmente pensa do mundo da sua rival pelo posto de superstar número um.

Sua voz é leve e tem um distinto sotaque ocidental e, embora ele fale calma e sonhador, também ri alto e, muitas vezes, especialmente em qualquer piada física. Pessoas trombando em coisas e jogando comida nele. Ele odeia até mesmo o mais suave xingamento e está sempre fazendo perguntas. Ele ouve com atenção, vê-lhe tão-pouco os olhos desconfiados e garante por não falar muito que ele escuta atentamente. Quanto à sua aparência, eu não tenho a pretensão de compreender por que ele cultiva a imagem que ele faz, mas eu tenho certeza que tem a ver com timidez e querer se esconder. De perto, a cirurgia estética é óbvia, e agora ele parece estar competindo com o processo natural de envelhecimento. Eu não tenho nenhuma razão para acreditar (e algumas razões para acreditar) na sua alegação de que ele sofre de uma condição de clareamento da pele, e eu sei com certeza que ele está orgulhoso de sua herança negra.

Ele disse a Jackie Onassis, que o ajudou com a sua autobiografia, "Moonwalker", que ele costumava usar máscaras para esconder, e também é sabido que seu pai, o famoso severo e exigente Joseph Jackson, disse-lhe várias vezes quando criança que ele era feio - herança de uma bela cicatriz.

Michael me lembra uma adolescente anoréxica, que nunca está satisfeita com a imagem que vê no espelho e tem que ficar mudando isso.

Michael queria dormir por algumas horas e nós concordamos em vê-lo mais tarde. Como Shmuley tinha uma lista de assuntos relacionados à caridade para discutir. Eu estava para ser autorizado como observador novamente.

Houve uma batida na porta da suíte enquanto Michael e seu mentor estavam absortom na conversa naquela noite. Michael me perguntou se eu não me importaria de ir abrir a porta. Lá fora estava Macaulay Culkin, em Londres, para o seu jogo de West End e aqui para sair com Michael. "Oi, olá, você grande, cabeça de macaco gordo", disse Culkin ao seu amigo.

Você quer entender Peter Michael Jackson Pan ou não, mas ele é honesto sobre isso e diz que não gosta de adultos e não se orgulha de ser um - daí o seu sentimento de solidariedade com ex-estrelas infantis como Culkin que, como ele, perdeu a infância.

Deixamos Michael e Macaulay para fazer o que eles fazem, que de acordo com um tablóide, era sentar na cama de Michael e assistir a filmes infantis.

É interessante que quando se trata de Michael, as pessoas dizem que o que os afasta são as acusações (absolutamente sem sentido e sem provas) nos anos noventa de abuso sexual infantil e como ele fez um acordo de US $ 18million para acabar com seu acusador.

Quando eu lembro que o Procurador local posteriormente procurou mais acusações, e que ninguém veio apesar de haver muito dinheiro sobre a mesa, e como é surpreendente que, considerando que cerca de 10.000 crianças por ano visitam a casa de Michael, Neverland, as pessoas mudam a objeção para o fato de que ele parece um pouco estranho - uma acusação menos grave, não posso deixar de sentir.

Mas talvez eu já tenha me tornado um bom entendedor de Michael depois do nosso tempo, em Nova York.

Eu o vi lá, trabalhando incansavelmente no planejamento de Heal The Kids, uma campanha mundial para que os pais passem algum tempo com seus filhos.

Ele fez isso apesar de estar sob pressão da gravadora para continuar com a gravação de seu álbum, sua primeira música nova em quase uma década.

Eu vi ele peóprio conversando e explorando com psiquiatras infantis, banqueiros, escritores e figurões da sociedade, e assegurar em uma audioconferência com o ator Denzel Washington e Nelson Mandela, a quem pediu para se juntar ao conselho da Heal the Kids. ("Eu vou fazer o que quiser, Michael," Mandela disse: "Você sabe como eu respeito você"..) Eu também ouvi Michael em reuniões de negócios, onde um homem diferente apareceu - focado, negociador e imaginativo.

Ele tem uma série de planos para seu futuro, de aquisição de imóveis para publicações autorais e empreendimentos de lazer.

E eu testemunhei a forma que eu acho que é o compromisso real de Jackson com crianças. A filha mais velha do rabino Shmuley, Mushki, reclamou chorando para Michael, em uma de suas visitas freqüentes à casa dos Boteach, que estava sendo maltratado por um menino na escola.

Michael propôs organizar a conferência de paz, presidido por ele, com os pais do garoto para resolver o problema. Esta não era uma promessa, tampouco.

Durante uma semana, Michael ligou para Shmuley e Mushki diariamente querendo saber como os arranjos para a reunião estavam indo. Quando o dia da reunião veio, Michael descobriu que coincidia com a sessão fotográfica para a capa do CD novo.

Então ao invés de alterar a data, ele começou a sessão às 5:00 para acabar com isso. No evento, ironicamente, o menino e sua família não conseguiram aparecer.

Shmuley também me disse, das centenas de horas de entrevistas que ele gravou com Michael para um livro que estão escrevendo juntos, a cerca do tormento de Michael tormento sobre o assassinato de Jamie Bulger em Merseyside, que surpreendeu a platéia de Oxford, mencionando na última terça-feira.

O pedido foi rejeitado por alguns como uma tentativa de injetar uma cor local no discurso, mas na verdade a preocupação de Michael com o caso volta ao seu primeiro casamento, com Lisa Marie Presley, filha de Elvis.

Eles acabaram discutindo sobre Jamie Bulger em uma viagem a Londres, quando Michael disse a sua esposa que, assim como estava arrasado por Jamie e seus pais, ele também estava preocupado com os assassinos dele porque ele tinha certeza de que eles devem ter tido uma infância ruim - como aliás era o caso.

Michael se recusa a acreditar no princípio de que qualquer criança pode ser fundamentalmente mau.

Até o final do outono passado, Michael estava perguntando o que tinha acontecido aos assassinos e dizendo como ele gostaria de ter escrito para eles, mas não ousaria fazê-lo porque sua fama os faria pensar que eles estavam sendo recompensado, o que ele sabia seria inaceitável.

Ele ficou, diz Shmuley, meio depressivo quando percebeu o quanto seu status de celebridade poderia, eventualmente, ser uma desvantagem em sua missão de ajudar as crianças.

Eu me juntei a Michael novamente na tarde de terça-feira em sua suíte, onde ele fez uma enxugada em seu discurso de Oxford, que tinha estado a trabalhar com Shmuley por uma semana.

Eles já estavam atrasados, graças ao pé de Michael. Ele estava insistindo em fazer a palestra de pé, e mesmo lendo-o como ele em Oxford, para além, ou seja, a partir do pijama cinza listrado com um Mickey Mouse no bolso do peito.

Seu foco e atenção aos detalhes eram impressionantes. O discurso ia ao clímax com Michael perdoando seu pai. Havia uma linha onde ele disse que se o Jackson Five fez um grande show, Joseph diria que estava tudo bem, e se eles fizeram um show normal, ele diria que era uma porcaria.

"Você sabe", disse Michael, "eu estou errado lá. Ele nunca disse que era ruim, ele simplesmente não disse nada. Isso tem que ser honesto. " Ele ficou em silêncio e sentou-se por um tempo, segurando uma tulipa de um vaso e, aparentemente perdido em pensamentos.

Ele mudou a linha, e aquele quase nada "foi a palavra que, naquela noite, ele desabou e chorou por quase um minuto. Alguns acharam que isso era teatro, eu estou certo que era genuíno, assim como a maioria dos estudantes de Oxford em torno de mim.

Quando Michael estava se vestindo e vendo novamente o médico, as horas passavam assustadoramente rápido, eu dei uma olhada na suíte. Em todos os lugares estavam os resultados da gastança dee Miguel de £ 2.000 na HMV com Macaulay e uma linda, loira, estudante de 20 anos filha de um amigo da família em Londres, que Michael conhecia desde quando ela era jovem.

Espalhados pela suíte estavam DVDs de vários filmes infantis, coleção de David Attenborough de vídeos dos animais selvagens (de £ 59,99 a £ 49,99) e dezenas de CDs, incluindo os Beatles álbum "1", do qual Michael tem os direitos autorais, e assim comprando, estava pagando-se royalties.

Pareceu-me que não é correto dizer que Michael Jackson só gosta da companhia dos filhos, como se costuma dizer. O que ele gosta é de se cercar de pessoas de seus vinte anos a quem ele conhece desde que era jovem - e pode, portanto, ter confiança, como a estudante encantadora.

Antes de sairmos, ficando cada vez mais tarde, Michael pegou frutas para a viagem para Oxford (duas maçãs, uma banana, duas ameixas e um laranja) e freneticamente cambaleava com suas muletas procurando material de leitura - uma pilha de revistas de luxo de uma cópia de Academia Real de £25 de catálogo para a sua exposição atual, o gênio de Roma, 1592-1623 - um presente de sua amiga estudante.

Subimos para o o comboio com o gerente, o médico, um guarda-costas e Shmuley uma hora antes de termos que estar em Oxford para o jantar. Michael colocou o livro de arte em seu colo, onde ele se sentou comigo e com o médico e discutiiu arte renascentista. Ele explicou que Diana Ross tinha ensinado muito sobre arte, mas que o seu pai também era um pintor talentoso.

Foi o rabino Shmuley que sugeriu, quando estávamos na estrada de Cromwell que telefonasse para seu pai em Las Vegas. "Você está fazendo um discurso para perdoá-lo.

Acho que agora é o momento, Michael. Michael considerou a idéia em silêncio durante todo o caminho até Hammersmith, quando de repente ele pediu o telefone celular mais próximo e discou. "Joseph", ele disse, enquanto andávamos pela hora do rush em Londres. "Sou eu, Michael. Eu estou em Londres. Eu estou OK, eu quebrei meu pé e dói muito, mas eu queria que você soubesse que eu estou no meu caminho para a Universidade de Oxford para fazer um discurso, e você está nele mencionado ... não, não , não se preocupe, é muito positivo. . certeza ... como você está mantendo? Uh-huh. . . certo, claro que vou. Eu amo você, papai, adeus. " Depois de dizer isso, olhou para fora da janela por um longo tempo. "Você sabe", disse a todos nós, radiante, "essa é a primeira vez que eu nunca, nunca disse isso. Eu não posso acreditar nisso. " Shmuley deu-lhe um abraço de urso e felicitou-o. Michael continuou a ler.

Foi uma viagem feliz, para além do tráfego. Michael reclamou que todos os CDs de seu empresário havia escolhido para a unidade eram muito barulhentos. Em um estágio sobre o M40, houve um silêncio e eu soltei uma das piadas que você gostaria de não ter soltado. "Está ficando chato agora", eu disse, 'Eu acho que nós deveríamos cantar. Alguém aqui pode cantar? Normalmente, fazer piadas sobre celebridades não é sábio, mas a atmosfera estava tão alegre e animado que eu não poderia remediá-la. Para minha alegria, Michael teve a generosidade de gargalhar.

Michael começou a entrar em pânico quando chegamos depois e depois. Ele queria ligar para todo mundo que tinha atrapalhado por estar atrasado. Para uma estrela que não precisa dar nada, é difícil não se ficar impressionado com sua solicitude.

O discurso de Michael foi incrível.

Sabemos que os alunos e os jornais e TV foram atropelados por ele, mas fiquei imaginando qual seria a reação de Trevor Beattie, o guru da publicidade criativa, que estava na lotada câmara de debates victoriana, com suas estátuas de Asquith e Gladstone.

Beattie é provavelmente o homem de propaganda da Grã-Bretanha mais famoso, e já trabalhou em comerciais para a UNICEF com Mandela, e com todos, de Muhammad Ali a Tony Blair, cujo comerciais para TV para a próxima campanha eleitoral ele acabou de fazer.

Beattie, em outras palavras, sabe um pouco sobre a apresentação. "O que eu vi hoje confirma o que eu sempre acreditei sobre Michael", disse ele. "Todas essas teorias sobre ele tentando se tornar branco se perderma. Eu acredito que seu grande objetivo não deve ser nada parecido com seu pai e que hoje, ele tem o fantasma de Joseph e pode começar de novo.

"É por isso que acho triste que, até agora, todos estão concentrados em coisas como a sua aparência e suas excentricidades e esquecem da sua instabilidade pessoal. Ele fez um trabalho brilhante, com óbvia sinceridade. Eu não podia admirar o homem mais '. Fomos para um incrivelmente grande, jantar, estrelado para 40 pessoas no Palácio de Blenheim, onde fiquei impressionado de ver Richard E. Grant, uma estrela de Hollywood, se perguntando sobre Michael.

"Quero dizer, o que se faz? Você finge conhecê-lo e dizer: oi, [e] se apresentar. Só não estou muito certo. " E no dia seguinte veio o chamativo casamento de Geller. Michael estava atrasado de novo (mais problemas com o pé, agravada quando ele caiu sobre ele - acredite ou não. - Em uma loja de peixe e chip em Marylebone) pessoas ficaram com pena, especialmente para a esposa de Uri, Hanna, mas, em seguida, Michael também teve que cancelar uma viagem de helicóptero dos Gellers para a casa de George Harrison. Harrison, ele me disse, é o Beatle que ele é mais próximo.

Minha filha de 11 anos, apertou a mão de Michael e disse a ele: 'Não é tão assustador quanto nas fotos, realmente muito agradável. " E me pediram para dançar sob o pálio do casamento com Uri, Shmuley e David Blaine, o mágico americano - e com o número um do mundo da dança e da música, Michael Jackson, sentado em uma cadeira a três metros de distância, batendo palmas.

Observando minhas tentativas de ritmo de hipopótamo, o Rei do Pop piscou para mim. Eu não espero ser contratado para o seu próximo vídeo a qualquer momento em breve.

Ele, por outro lado, parecia feliz, como se algum tipo de peso tivesse sido tirado de seus ombros.

Créditos: Fórum Number Ones (membro Belj)

terça-feira, 19 de junho de 2012

Michael ganhou um chapéu do chacrinha?


Michael adora chapéus ~ Mas talvez não este! Esta foto foi tirada na casa de Weldon Arthur McDougal III. um promotor para discos da Motown, que escreveu um livro que continha muitas fotos cândidos de Michael e os Jacksons chamado O Michael Jackson Scrapbook, agora muito raro. "Isso aconteceu por causa de Michael e Tito, principalmente. Ambos compraram câmeras Nikon. Michael sempre quis que eu usasse sua câmera e tirar fotos de tudo o que ele estava fazendo.
No livro há uma foto de Michael com um chapéu muito original. "Eu estava no Brasil e lá havia um cara que era o artista número um do momento e ele se vestia como um palhaço. Eu fui ao seu show, ele era selvagem e às vezes havia melancias jogadas na platéia. Então, fui apresentado para o cara e ele disse: "Ouvi dizer que você trabalhou para Michael Jackson " , eu disse " Sim ". Ele pegou o chapéu e disse: " Da próxima vez que você ver Michael Jackson, diga-lhe que eu disse oi e eu quero que ele aceite esse chapéu. " Michael veio para minha casa em Philly já que ele estava por perto , em Nova York. Ele olhou para a minha coleção de discos e viu o chapéu. Eu disse a ele um cara que me deu para você, e ele experimentou e eu tirei fotos dele com o chapéu. Quando Michael saiu de minha casa , ele deixou o chapéu." Weldon Arthur McDougal III.

Presume-se que quem deu o chapéu foi o Chacrinha.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...